Rotary Clubs do Distrito 1970 ajudam a vacinar mais de 127 mil crianças contra a pólio

Rotary Clubs do Distrito 1970 ajudam a vacinar mais de 127 mil crianças contra a pólio

Porto – Respondendo a um desafio lançado pelo governador do Rotary Distrito 1970, Alberto Soares Carneiro, a maioria dos 91 clubes que compõem essa área rotária, que se estende do Centro ao Norte de Portugal, respondeu positivamente, organizando mais de 50 eventos eventos – entre os quais a “Refeição Frugal”, parte do projeto “Maior Refeição do Mundo” – que resultaram em mais de 22 mil euros de contribuições destinadas ao fundo PolioPlus do Rotary International que suporta parte da luta pela erradicação da poliomielite (doença também conhecida como pólio ou paralisia infantil) em todo o mundo. Esse valor possibilitará a vacinação de mais de 127 mil crianças na Nigéria, no Paquistão e no Afeganistão.

A Maior Refeição do Mundo (The World’s Greatest Meal), um projeto destinado a ajudar a erradicar a poliomielite, foi idealizado por Susanne Rea, uma rotária do Rotary Club de Cairns Sunrise, Queensland, Austrália, com o objetivo ajudar a angariar recursos, registar eventos e ajudar a divulgar a luta mundial contra essa doença. Mais informações poderão ser encontradas em www.wgmeal.com. O projeto “Refeição Frugal”, inserido neste projeto mundial, desafiava os clubes do Distrito 1970 organizarem um almoço ou um jantar simples, antes ou depois do Dia Mundial de Combate à Poliomielite, assinalado em 24 de outubro, em vez de uma refeição tradicional. Na maioria dos eventos – alguns clubes optaram por modelos diferentes – cada participante contribuiu com 20 euros destinados ao fundo PolioPlus onde cada dólar será transformado em 3 dólares pela Fundação Bill & Melinda Gates. Assim, os mais de 22 mil euros agora arrecadados, com o apoio dessa fundação servirão para vacinar mais de 127 mil crianças.

A doença

A poliomielite é uma doença infeciosa viral aguda transmitida de pessoa a pessoa, principalmente pela via fecal-oral. Altamente contagiosa e deformadora, por vezes fatal, afeta principalmente crianças menores de cinco anos de idade. O vírus ataca o sistema nervoso e pode levar à paralisia. Embora não haja cura, a doença pode ser prevenida pela vacina, que tem sido usada pelo Rotary e seus parceiros para imunizar mais de 2,5 mil milhões de crianças no mundo inteiro.

Se não for erradicada, dentro de 10 anos poderemos ter duzentos mil novos casos da doença anualmente no mundo. Apesar da doença ser endémica em somente três países, nenhuma criança estará a salvo se não for eliminada.

Programa PolioPlus

Desde o lançamento do programa PolioPlus em 1985 – a primeira iniciativa para erradicar a paralisia infantil por meio da imunização em massa – o número de casos da doença caiu drasticamente. O Rotary contribuiu com 1,7 mil milhões de dólares e inúmeras horas de trabalho voluntário para a imunização de mais de 2,5 mil milhões de crianças em 122 países. Além disso, a organização desempenha um papel significativo ao influenciar governos doadores a contribuírem com mais de 7,2 mil milhões de dólares para a iniciativa.

Existem apenas três países onde a doença é endémica: Afeganistão, Nigéria e Paquistão. Em 2016 foram confirmados somente 37 casos de pólio no mundo, refletindo uma redução de mais de 99,9% desde a década de 1980, quando ocorriam por volta de 1.000 casos por dia. No entanto, ainda são necessários 1,5 mil milhões de dólares para a erradicar.

Os números de casos representados pelo 1% restante são os mais difíceis de prevenir devido a fatores que incluem isolamento geográfico, precariedade da infraestrutura pública, conflitos armados e barreiras culturais. Até que a poliomielite seja erradicada, todos os países permanecem em risco de terem surtos da doença.

Para eliminar a poliomielite é necessário cessar a transmissão do vírus selvagem nesses três países, os últimos onde a doença continua endémica. Também é necessário manter as demais regiões do planeta livres da poliomielite até que ela seja oficialmente erradicada. Até lá, 60 países em situação de alto risco continuarão a realizar campanhas de imunização de larga escala para proteger as suas crianças. Por causa disso, é importante que o financiamento da luta contra doença continue.

Garantindo o sucesso

Na última Convenção internacional do Rotary (junho de 2017), em Atlanta, EUA, vários líderes globais e doadores principais (Rotary, Fundação Bill e Melinda Gates e cerca de 20 países) reafirmaram seu compromisso com o fim da poliomielite e prometeram destinar 1,3 mil milhões de dólares para impulsionar as atividades de erradicação da doença e reduzir, drasticamente, a lacuna de financiamento de 1,5 mil milhões de dólares que os parceiros na Iniciativa Global de Erradicação da Pólio afirmam ser uma necessidade real para diminuir os casos da doença mundialmente. Este ano, apenas foram registados cinco novos casos, o menor número até à data.

Durante os próximos três anos, o Rotary arrecadará 50 milhões de dólares por ano para o combate à doença. Cada dólar desta soma será equiparado pela Fundação Bill e Melinda Gates na proporção de 2 para 1 (por cada dólar arrecadado, a Fundação Bill e Melinda Gates acrescentará dois dólares). Estes fundos serão usados para cobrir custos operacionais, recrutamento de profissionais da área da saúde, equipamentos de laboratório e materiais educativos para agentes de saúde e o público. Governos, empresas e pessoas também desempenham um papel importante na arrecadação de fundos.

Rotários em ação

Mais de um milhão de rotários doam tempo e recursos pessoais para ajudar a eliminar a poliomielite. Todo ano, centenas de associados trabalham com agentes da saúde para vacinar crianças em países afetados pela doença. Eles também colaboram com os demais parceiros da Iniciativa Global de Erradicação da Pólio na organização e disseminação de comunicados em massa para populações isoladas devido aos conflitos, à situação geográfica ou à pobreza. Além disso, recrutam voluntários, ajudam a transportar vacinas e fornecem o apoio logístico necessário.

Campanha ‘Falta Só Isto’

Contamos com várias celebridades e figuras públicas na campanha de consciencialização sobre a pólio “Falta Só Isto”. Entre elas, temos o prazer de ter a colaboração de Bill Gates, co-presidente da Fundação Bill e Melinda Gates; as atrizes Kristen Bell e Archie Panjabi; o lutador profissional John Cena; a top model Isabeli Fontana; o Nobel da Paz Desmond Tutu; o ator de filmes de ação Jackie Chan; o boxeador Manny Pacquiao; o jogador de futebol Pato; o pop star Psy; a cantora Ivete Sangalo; a ativista e etóloga Jane Goodall; o violinista Itzhak Perlman; os vencedores do Grammy A.R. Rahman, Angelique Kidjo e Ziggy Marley; e a rainha Noor da Jordânia. Por meio de anúncios de utilidade pública, redes sociais e apresentações, estes embaixadores da causa chamam atenção à necessidade de acabar com a poliomielite de vez.

A poliomielite será, a seguir à varíola, a segunda doença a ser erradicada completamente da terra.

Comentários