RC Entroncamento apoia famílias muito carenciadas com a ajuda de alguns parceiros

RC Entroncamento apoia famílias muito carenciadas com a ajuda de alguns parceiros

“Notícias” da Fundação Rotária Portuguesa (FRP) dá continuidade à divulgação de iniciativas enquadradas no âmbito do regulamento de candidatura a projetos de apoio da FRP. Neste sentido, conversámos com António Luís dos Santos, membro da Comissão de Projetos e Prestação de Serviços/Serviços Humanitários do Rotary Club do Entroncamento, responsável por acompanhar o projeto que o clube está a desenvolver no sentido de apoiar famílias muito carenciadas. O clube, que neste ano rotário é presidido por Mário Vítor Simões, rodeou-se de alguns parceiros para levar a cabo esta iniciativa que está a decorrer “muito bem”, como explica António Luís dos Santos.

Notícias (N.) – Desde a entrada em vigor do novo Regulamento de Candidatura a Projetos de Apoio à Fundação Rotária Portuguesa o Rotary Club do Entroncamento candidatou 19 projetos divididos pelas áreas de ação da Alfabetização/Educação e Combate à Fome e à Pobreza. Destes 16 foram aprovados. Que balanço faz desta participação? 
António Santos (A.S.) – O balanço só pode ser considerado positivo, uma vez que sem o apoio da Fundação Rotária Portuguesa a concretização destes projetos seria muito restrita e sempre subordinada à disponibilidade financeira do Clube.

N. – Em Setembro último candidataram um projeto na área de ação Combate à Fome e à Pobreza. É um projeto de continuidade?
A.S. – De certo modo, diremos que sim. Aliás, se não estou em erro, este é o quinto projeto que levamos à prática.

N. – Para concretizar este projeto o clube realizou parcerias? Se sim com quem?
A.S. – Desde logo, com a Fundação Rotária Portuguesa, Câmara Municipal do Entroncamento e uma Cooperativa local (S.CAFA – Cooperativa de Consumo dos Ferroviários e Aderentes CRL.

N. – Como está a decorrer este projeto que visa ajudar famílias muito carenciadas entre janeiro e agosto deste ano?
A.S. – Muito bem. Quer o presente quer os anteriores.

N. – Sucintamente indique-nos como se processa a recolha e distribuição dos bens alimentares?
A.S. – A Câmara Municipal do Entroncamento através de alguns dos seus órgãos funcionais promove, a pedido do Clube, a seleção de três famílias de entre as mais carenciadas e com filhos menores. Produzem também um cartão tipo (com o logotipo do Rotary e da Câmara Municipal do Entroncamento), no qual consta o nome do elemento que representa a família e num dos cantos o número de elementos do agregado familiar. Antes de se dar início ao programa, realiza-se uma reunião com os elementos da já referida Cooperativa, procurando definir tipo e quantidade de géneros a ceder mensalmente a cada família.

N. – Que novos projetos pensa o clube desenvolver?
A.S. – Propusemos uma candidatura a uma bolsa para um jovem estudante concluir a licenciatura em violino na prestigiada Escola de Música Hochschule fur Musik und Theater “Felix Mendelsohn Bartholdi”, em Leipzig, Alemanha, para a qual contamos com a parceria da Associação São Bartolomeu de Lisboa, que já aprovou a sua comparticipação financeira.

N. – Que comentário lhe suscita a participação da Fundação Rotária Portuguesa no apoio financeiro aos projetos apresentados pelos clubes. É uma mais-valia?
A.S. – É evidente que sim, dados os condicionalismos dos recursos dos Clubes e possibilidades de angariação de fundos em zonas de menor desenvolvimento económico, empresarial ou industrial.

N. – Entende que os projetos dos clubes se devem confinar apenas e, só, à área de Alfabetização/Educação ou que também seja alargado aos projetos Promoção de Saúde e Recursos Hídricos e Ambiente, conforme previsto no plano estratégico em vigor?
A.S. – Entendemos que deve haver uma maior abrangência sem contudo, limitar ou comprometer, os projetos de apoio ao ensino (bolsas de estudo).

Comentários