Distrito 1970 realiza Conferência com o tema “O Rotary Faz a Diferença”

A Universidade Lusíada – Norte (Porto) acolheu, no passado fim-de-semana, a 35ª Conferência do Distrito 1970 do Rotary International

Nos dias 1 e 2 de junho realizou-se, na Universidade Lusíada – Norte (Porto), a 35ª Conferência do Distrito 1970 do Rotary. Mais de 450 pessoas estiveram presentes.

O primeiro dia foi marcado pelo fórum “Felicidade: A Nova Cultura Empresarial”. Paulo Zanardi, diretor do Rotary International, abriu o evento afirmando que “o maior ativo de uma empresa são os empregados, os seus colaboradores”.

Ruediger Saur foi o primeiro a intervir, falando da sua realidade. Para o presidente da Bosch Termotecnologia, o colaborador tem que sentir que faz parte da empresa. “We are Bosch” (inglês para “Nós somos Bosch”) é um dos lemas que a empresa gosta de transmitir aos seus trabalhadores para lhes dar algum propósito.

Numa empresa desta dimensão é importante que a base de valores, sob os quais a firma se rege, seja comum a todos os colaboradores. “A empresa tem que unir todas as gerações”, disse Ruediger Saur, acrescentando que a liderança tem sobretudo que transmitir respeito.

A diretora do Departamento de Felicidade do Grupo Bernardo da Costa, Susana Barros, falou em equidade entre os colaboradores. Cada pessoa tem características e necessidades diferentes e como tal é preciso adaptar os “prémios” a cada um. Para o grupo, muitas vezes as soft skills são mais importantes do que o domínio técnico.

A F3M Information Systems foi considerada uma das 100 melhores empresas para se trabalhar em Portugal vários anos consecutivos. Pedro Fraga, presidente, voltou a falar de respeito, afirmando que existem dois princípios base: “Ninguém levanta a voz a ninguém” e “Ninguém faz reparos diretos em comum”.

Um dos objetivos é que os colaboradores tenham um fulfillment profissional e pessoal. Para isso a empresa dispensa os trabalhadores no dia de aniversário e até quando estes têm algum compromisso no âmbito da responsabilidade social; fornece nutricionista, massagista, salão de jogos, prémios para casais que vão ser pais (de modo a incentivar a natalidade), entre outras coisas.

De seguida, na sua intervenção, Elísio Silva (diretor da DUAL) defendeu que recrutar pessoas é relativamente fácil, o difícil é retê-las e encontrar o sítio certo para elas.

No nosso país, cada vez a população é mais envelhecida. No caso da DUAL, todos os anos saem 250 novos formandos para o mercado. Mas, na opinião de Elísio Silva, a necessidade de formar ou até requalificar os adultos tem aumentado muito.

Depois de comparar a realidade empresarial da Alemanha com a portuguesa, o diretor da DUAL afirmou que “não há fórmulas únicas”, uma vez que todas as pessoas são diferentes e as zonas de atuação das empresas também.

Todos os oradores concordaram que efetivamente uma empresa pode ser um lugar de bem-estar, de felicidade e de parceria. Os valores sociais não podem ser esquecidos pelas empresas. No entanto, o fator económico não foi deixado de parte na discussão.

De modo a dar os melhores benefícios a todos os colaboradores, 20% da faturação do Grupo Bernardo da Costa é investido no Departamento de Felicidade. Pedro Fraga foi mais longe e disse que “não podemos ter pessoas felizes se lhes pagamos miseravelmente”. O presidente da DUAL defende que “é perfeitamente possível ter colaboradores felizes sem um grande investimento”.

O fórum foi encerrado pelo Professor Daniel Bessa, ex-ministro da Economia, que confessou nunca se ter debruçado sobre o tema em debate. No entanto acha “que o respeito é um valor universal”, afirmou. Ao encerrar a primeira atividade do dia, defendeu ainda que os empresários deviam repartir os lucros pelos funcionários. Segundo o ex-ministro, é algo que falta na cultura empresarial portuguesa.

“A nossa missão é a humanidade” afirmou o Governador Alberto Soares Carneiro na Sessão Oficial de Abertura da 35ª Conferência do Rotary Distrito 1970

A sessão oficial de abertura da 35ª Conferência do Rotary Distrito 1970 foi marcada por discursos do Vice- Chanceler da Universidade Lusíada Norte (Porto) e Vice-Presidente da Associação Minerva, António José Moreira; do vereador da Câmara Municipal do Porto, Fernando Paulo; do Presidente da Comissão Organizadora, Andrew Gay; do Governador do Distrito 1960, Afonso Malho; do Governador do Distrito 1970, Alberto Soares Carneiro; e do Diretor do Rotary International, Paulo Zanardi.

Abordaram-se temas como os direitos das crianças, a felicidade (não só no local de trabalho, mas na vida em geral), o trabalho de equipa e a paz e cooperação entre comunidades.

“O Rotary não é caridade” lançou o Governador do Distrito 1970, Alberto Soares Carneiro. Embora a caridade esteja presente no movimento rotário, o objetivo é tocar/mudar vidas para que as pessoas consigam alcançar independência e autonomia, após a intervenção do Rotary.

Alberto Soares Carneiro elencou as inúmeras atividades e iniciativas levadas a cabo durante o seu mandato como Governador do Distrito 1970.

Após a cerimónia de abertura, realizou-se um Porto de Honra e foi inaugurada a Exposição de Automóveis Antigos, bem como a Exposição de Arte, nos jardins da Universidade.

O primeiro dia do evento foi encerrado com um jantar no Pestana Palácio do Freixo, que contou com a presença do Senhor Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

 

Muitos convidados e nomes internacionais marcaram presença no segundo dia de Conferência

Paulo Zanardi (Diretor do Rotary International), José Pacheco Pereira (Cronista político e Investigador da História Contemporânea), Michel Zaffran (Diretor Polio Eradication Initiative, WHO Geneva – Organização Mundial da Saúde), Beatriz Imperatori (Diretora Executiva da UNICEF Portugal), Alex Youlten (Representante da ONG Shelter Box), Helena Pina-Vaz (Presidente da ONG Habitat for Humanity Portugal), e Argentina Sousa (representante da ONG The Big Hand) foram os convidados para o segundo e último dia de Conferência.

Durante o dia, os vários convidados falaram na 35ª CONFERÊNCIA DO DISTRITO 1970 DO ROTARY INTERNATIONAL sobre a história e evolução das diferentes organizações que representam. Não esquecendo o Rotary e os projetos que têm em comum, bem como a diferença que isso faz no mundo.

Em simultâneo decorreu a iniciativa UNIVERSIDADE J: “Como Falar em Público Eficazmente”, organizado em parceria com o Interact e o Rotaract do Distrito 1970 (clubes de jovens parceiros do Rotary) e a Toastmasters International.

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares encerrou a 35ª Conferência do Distrito 1970: “Os portugueses têm esperança”

Na Cerimónia de Encerramento da 35ª CONFERÊNCIA DO DISTRITO 1970 DO ROTARY INTERNATIONAL, o Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, falou sobre economia e investimentos, deixando clara a esperança dos portugueses.

Ainda na Cerimónia falou-se com os representantes do Interact, Rotaract e Rotaract Universitário sobre os projetos levados a cabo em conjunto com o Rotary. É exemplo disso a plantação feita no Pinhal de Leiria depois dos incêndios de outubro, com a colaboração do Interact em parceria com o Rotary.

Ouviram-se palavras de Paulo Zanardi, diretor do Rotary International, em representação do presidente Ian Riseley, bem como do próximo Governador do Distrito 1970 do Rotary, Joaquim Branco.

Para assinalar a tomada de posse do novo Governador, marcada para o dia 1 de julho, deu-se a passagem da bandeira do Rotary Distrito 1970 do atual Governador para o próximo. Um momento solene que assinala a nova etapa do Distrito.

Foi ainda sorteada uma viagem a Madrid para duas pessoas.

Coube a Paulo Zanardi a tarefa de encerrar a cerimónia com histórias partilhadas e agradecimentos, ao som de aplausos e bom humor.

Comentários