Concerto de piano de João Elias no 65.º aniversário do Rotary Club de Coimbra

Concerto de piano de João Elias no 65.º aniversário do Rotary Club de Coimbra

No âmbito do programa da comemoração do seu 65.º aniversário o Rotary Club de Coimbra promoveu, recentemente, no auditório do Conservatório de Música de Coimbra, um recital solidário de piano preenchido com a atuação do brasileiro João Elias.

O espectáculo foi apresentado pelo, também pianista Adriano Jordão, que numa breve introdução apresentou João Elias e o programa de sala, que classificou de “programa de virtuosismo” e que se assemelha muito ao “espírito e à virtude rotária”.

Sublinhou que a “virtude não existe só no bem-estar social das pessoas, existe também na excelência com que se fazem as coisas. E o virtuosismo num pianista é aquela qualidade fora de série de defender a qualidade e de lutar por conseguir alcançar a beleza pura através da música”.

O programa incidiu em “três tipos de virtuosismo”. “Virtuosismo nacionalista” de Heitor Villa Lobos, com “Alma Brasileira” (1927); o “virtuosismo onírico” de Alexander Scriabin (interpretação de 12 prelúdios), a que se seguiu a grande obra deste autor “Fantasia em Si menor”; regresso a Heitor Villa Lobos (Choro n.º 5) e a encerrar o programa o “virtuosismo espetacular” com “Vals Mephisto” de Liszt, considerada, segundo Adriano Jordão, uma das obras mais difíceis para piano.

Na ocasião, Isabel Folhas, presidente do Rotary Club de Coimbra, disse não querer deixar de, no seu ano rotário, assinalar o aniversário do clube e agradeceu publicamente, a Tiago Nunes, da CulturXis, ao pianista João Elias e a Adriano Jordão a possibilidade da realização do recital solidário no âmbito da comemoração dos 65 anos do clube rotário.

 

 

Comentários