Banco Mundial e Rotary International celebram o Dia Internacional da Mulher

Banco Mundial e Rotary International celebram o Dia Internacional da Mulher

Por Ryan Hyland/ Fotografias de Karen Sayre

Três mulheres rotárias foram reconhecidas a 7 de março no Banco Mundial em Washington, DC, EUA, pelo seu compromisso em melhorar a vida através de projetos humanitários inovadores.

A celebração, organizada pela Associação de Pessoal do Grupo Banco Mundial e patrocinada pelo Rotary International e pela empresa de investimentos Oppenheimer & Co., foi um dos muitos eventos realizados esta semana para marcar o Dia Internacional da Mulher, que é celebrado a 8 de março de cada ano. O evento destacou as mudanças positivas que as mulheres fazem em todo o mundo. Annette Dixon, vice-presidente do Banco Mundial no Sul da Ásia, moderou o evento.

Dra. Geetha Jayaram, membro do Rotary Club de Howard West, Maryland, EUA, aborda questões de saúde mental para mulheres pobres em países em desenvolvimento.

A falar para mais de 300 pessoas, com milhares a assistir em direto, Dra. Geetha Jayaram, Marie-Irène Richmond Ahoua e Danielle De La Fuente, todas rotárias, contaram as suas histórias e explicaram como os seus trabalhos ajudaram mulheres pobres na Índia a terem acesso a cuidados de saúde para problemas mentais, a vacinar centenas de milhares contra a poliomielite na África Ocidental e a capacitar crianças refugiadas em todo o mundo.

“Estas são mulheres de ação que estão a contribuir muito para o mundo”, disse Dixon. “Elas deram muito de si próprias pelas suas iniciativas e estão a desempenhar um papel de liderança para muitas mulheres”.

Jayaram, membro do Rotary Club de Howard West, Maryland, EUA, e vencedora do prémio Rotary Global Alumni Service to Humanity, disse ao público que a sua clínica de saúde mental forneceu, a quase 2.000 pessoas pobres, principalmente mulheres, a cada ano, cuidados abrangentes em mais de 200 aldeias no sul da Índia.

A Clínica Maanasi, fundada por Jayaram, foi reconhecida pela Organização Mundial de Saúde pelos seus esforços para promover os cuidados de saúde mental nos países em desenvolvimento. os seus serviços também se concentram na visão, audição, cuidados geriátricos e reabilitação vocacional. A clínica, que atua em parceria com o St. John’s Medical College, recebeu financiamento do Rotary Club de Columbia, Maryland e bolsas do Rotary. No total, a clínica já ajudou quase seis milhões de famílias desde que começou em 2002.

“Nunca esperei sentir-me tão satisfeita e realizada por estas mulheres que têm tão pouco, mas que o receberão nas suas casas e partilharão os detalhes mais íntimos das suas vidas”, disse Jayaram. “Esse é um grande presente para mim e para os nossos trabalhadores”.

Jayaram é professora associada de psiquiatria e ciências comportamentais na escola de Medicina da Universidade de Johns Hopkins em Baltimore, Maryland, EUA.

Marie-Irène Richmond-Ahoua, Past Presidente do projeto PolioPlus para a Costa do Marfim, fala sobre os avanços que a África fez para tornar-se livre de pólio.

Marie-Irène Richmond-Ahoua, membro do Rotary Club de Abidjan-Bietry, Costa do Marfim, serviu como presidente do programa PolioPlus do Rotary no seu país e agora ajuda a coordenar as atividades de imunização na África Ocidental. Ela é consultora de comunicação internacional e trabalhou como assessora de divulgação para a Operação das Nações Unidas na Costa do Marfim.

Richmond-Ahoua foi reconhecida por Bill Gates na Convenção do Rotary de 2017 em Atlanta pelo seu papel na erradicação da poliomielite e na paz.

“O voluntariado trouxe-me muita felicidade e algumas lágrimas. Isso permitiu-me ver o mundo através de lentes diferentes”, disse Richmond-Ahoua. “Devemos acreditar naquilo que estamos a fazer, independentemente dos desafios que enfrentamos”.

Ela acrescenta: “E a minha maior recompensa? O sorriso de uma mãe depois do seu filho ser imunizado”.

Danielle De La Fuente, membro do Rotary Club de Coronado Binacional, Califórnia, EUA, partilha como sua organização, The Amal Alliance, capacita crianças refugiadas em todo o mundo.

Danielle De La Fuente, membro do Rotary Club de Coronado Binacional, Califórnia, EUA, é co-fundadora da Aliança Amal. O grupo sem fins lucrativos capacita crianças refugiadas em todo o mundo através do desenvolvimento social e de programas educacionais. Ela trabalhou na Universidade de Defesa Nacional em Washington, DC, onde promoveu boas relações em todo o Médio Oriente e no sul da Ásia.

De La Fuente disse à audiência que 65 milhões de pessoas foram deslocadas à força em todo o mundo, 77% das quais são crianças. “Imagine um mundo onde as crianças não têm sonhos”, disse De La Fuente. “Essa é uma realidade que eu escolho não aceitar”.

“A necessidade de pessoas compassivas nunca foi maior do que é agora”, acrescenta. “Qual é o nosso futuro se a nossa próxima geração não conseguir sonhar? Peço a todos vocês que ajam e façam a diferença”.

Comentários